Senador flagrado com dinheiro na cueca diz em rede social que ‘tudo será esclarecido’

Chico Rodrigues (DEM) apareceu pela primeira vez em vídeo onde alega, mais uma vez, ser inocente. Polícia Federal encontrou mais de R$ 33 mil em maços de dinheiro escondidos na cueca do senador.

0

O senador Chico Rodrigues (DEM), flagrado com dinheiro na cueca pela Polícia Federal, disse em uma rede social na noite desta quinta-feira (15) que “tudo será esclarecido”. O parlamentar era vice-líder do governo no Senado, mas deixou o cargo por decisão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Alvo da operação Desvid-19, deflagrada nessa quarta (14), Rodrigues apareceu pela primeira depois do escândalo do dinheiro na cueca.

“Deixo a vaga de vice-líder do governo Bolsonaro no Senado para aclarar os fatos e trazer à tona a verdade. Acredito na verdade, estou confiante na justiça e digo que logo tudo será esclarecido. E provarei que nada tenho a ver com qualquer ato ilícito, de qualquer natureza”, afirmou o senador em vídeo publicado nas redes sociais.

Na operação, a PF apreendeu R$ 33.150 nas partes nas partes íntimas do senador. Ele estava em casa, numa área nobre de Boa vista, quando agentes chegaram para cumprir os mandados de buscas autorizados pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Folha Banner

O dinheiro estava dividido em três maços e foi achado após o delegado do caso desconfiar do “volume retangular na parte traseira” da roupa dele. Parte do valor foi achado “no interior de sua cueca, próximo às suas nádegas”.

“Vou cuidar da minha defesa, e provar minha inocência, e volto”, afirma ele em outro trecho do vídeo.

Detalhes da apreensão na cueca do senador constam da decisão do ministro do STF, Luís Roberto Barroso, que determinou afastamento de senador do cargo por 90 dias em razão da “gravidade concreta” do caso. O flagrante dos policiais foi registrado em vídeos.

As cédulas encontradas com o senador, segundo a PF, não tiveram sua origem lícita comprovada. Além do montante na cueca, foram apreendidos R$ 10 mil e US$ 6 mil que estavam em um cofre no quarto do senador.

A diligência na casa do senador foi acompanhada pelo advogado dele. Na manhã desta quinta, a defesa afirmou que ainda não havia tido acesso ao processo do STF. G1.com