Total de prédios ocupados e com risco de cair é desconhecido

0

Nenhum órgão municipal sabe a quantidade de edificações com risco de desabamento em Fortaleza. A solicitação do mapeamento foi feita pelo O POVO à Prefeitura ontem, um dia após incêndio e desmoronamento de um prédio em São Paulo, na madrugada da última terça-feira, 1º. O local abrigava pelo menos 146 famílias.

Alarmada pela tragédia, a Defesa Civil da capital paulista anunciou que, nos próximos 45 dias, deve vistoriar todos os 70 prédios ocupados no centro da Cidade. De antemão, outras cinco edificações próximas ao edifício Wilton Paes de Almeida — antiga sede da Polícia Federal, de 24 andares — foram interditadas para prevenir novos acidentes.

Em Fortaleza, prédios históricos como a antiga escola Jesus, Maria, José, no Centro, e o Edifício São Pedro, na Praia de Iracema, mesmo visivelmente deteriorados e sem nenhuma condição básica de segurança, também servem de moradia. No entanto, o quantitativo de edificações e de famílias que vivem sob essas condições precárias de habitação é desconhecido pela Prefeitura.

Folha Banner

A informação foi solicitada pelo O POVO para a Defesa Civil, a Secretaria das Finanças (Sefin) e a Agência de Fiscalização (Agefis). Nenhum órgão, contudo, assumiu responsabilidade pelo inventário. Por telefone, a assessoria de imprensa do gabinete da Prefeitura, por fim, admitiu não ter “catalogação” desse mapeamento.

Daniel Rodrigues, arquiteto e urbanista que, em 2009, coordenou um plano habitacional focado no Centro de Fortaleza, disse que, na época — a gestão da ex-prefeita Luizianne Lins (PT) — foram catalogados todos os mais de 10 mil imóveis da região. Destes, segundo o profissional, que atualmente é delegado da Federação Nacional de Arquitetos (FNA) no Ceará, cerca de 220 poderiam ser aproveitados para habitação em diferentes níveis. Não havia, até então, segundo ele, nenhuma ocupação irregular. No entanto, lamentou que o estudo não tenha sido aproveitado pela atual gestão municipal. “O básico é catalogar”, afirmou.

 

Fonte: O Povo Online